Negócios de impactoSaberes

Aliança Pelo Impacto completa 10 anos e reposiciona estratégia de atuação

4 mins de leitura

Evento realizado no dia 12 de setembro, em São Paulo, marcou o anúncio da nova gestão e promoveu o lançamento de uma publicação produzida em parceria com ICE e o Impacta Nordeste com experiências e personagens do ecossistema de investimentos e negócios de impacto.

*Com informações de Aliança pelos Investimentos e Negócios de Impacto

Após uma década de atuação sob a liderança do Instituto de Cidadania Empresarial (ICE), a Aliança Pelo Impacto, uma das principais iniciativas nacionais dedicadas ao fortalecimento do ecossistema de investimentos e negócios de impacto no Brasil, comemorou os resultados desta jornada com evento em São Paulo, na última terça-feira (12). O encontro marcou a celebração dos resultados ao longo dos últimos anos, reunindo atores relevantes do setor como investidores, institutos, fundações, empreendedores e aceleradoras. Além disso, também anunciou a nova gestão da diretoria executiva da iniciativa pela Din4mo Lab. 

Beto Scretas, consultor sênior de investimentos de impacto do ICE, comentou sobre a evolução do campo nos últimos anos. Segundo ele, a atuação colaborativa da Aliança é um dos pilares desse sucesso. Entre os marcos dessa jornada, Beto salientou a criação, em 2017, da Estratégia Nacional do Ecossistema de Impacto (ENIMPACTO) junto ao Governo Federal, o engajamento de atores como o BNDES nesta agenda e a criação de mecanismos como a chamada de blended finance e chamadas para negócios de impacto através do BNDES Garagem. 

“Ter a chancela do governo nesta agenda foi fundamental para a virada de chave do setor no Brasil. Mesmo trabalhando aquém do seu potencial é super representativo engajar o maior banco de desenvolvimento do país e hoje ter o BNDES como principal player em venture capital com um fundo voltado para impacto, por exemplo”, avalia. 

O executivo também analisou que o amadurecimento dos instrumentos de mapeamento dos indicadores do ecossistema de impacto e a articulação multissetorial traz hoje um panorama mais fidedigno deste setor no país. 

“Há 10 anos, o volume de capital sob gestão identificado como impacto era de R$ 350 milhões. O último relatório da ANDE já identifica o volume de mais de R$ 18 bilhões”, comenta Scretasfazendo referência ao mapeamento com os resultados de 2021. 

Publicação reúne depoimentos e histórias de impacto 

Na ocasião, aconteceu também o lançamento da publicação “10 anos de construção coletiva – Relatório de 10 anos da Aliança Pelo Impacto”, produzida em parceria com o Impacta Nordeste, que reflete a década de atuação da Aliança e traz personagens significativos na construção desta história. 

O relatório conta com depoimentos de atores chave do ecossistema como Sir. Ronald Cohen, Presidente do Global Steering Group for Impact Investment (GSG), Maure Pessanha, Presidente do Conselho da Artemísia, Guilherme Affonso Ferreira, sócio fundador da Teorema Capital e integrante dos Conselhos da Aliança pelo Impacto e ICE, Daniela Arantes, Chefe do Departamento de Gestão Pública de Municípios e Inclusão Produtiva do BNDES e Marcel Fukayama, diretor do conselho da Aliança pelo Impacto. A publicação também traz as perspectivas de representantes do Instituto Votorantim, Positive Ventures, Centro de Empreendedorismo e Administração em Terceiro Setor (CEATS), Aoka & Climate Ventures. 

Diogo Quitério, vice-diretor do ICE, coordenou a Aliança Pelo Impacto entre 2015 e 2022. Neste período, a Aliança trabalhou para definir conceitos e estruturar o ecossistema de investimentos e negócios de impacto no Brasil. 

“No começo da Aliança ouvimos muito a seguinte pergunta: por que vocês estão burocratizando a conversa, criando conceitos novos? E nós defendemos o processo de conceituação do ecossistema, colocando-o como muito relevante. Ao dar nome ao que estávamos buscando, entenderíamos as características dos negócios e dos investidores. A partir disso, saberíamos quais os pontos esperados e onde deveríamos mirar”, relatou Diogo.

Sob nova direção 

O evento marcou também a nova fase da trajetória da Aliança Pelo Impacto. A partir do segundo semestre de 2023, a Din4mo, uma organização dedicada ao desenvolvimento do ecossistema de impacto, assume a sua Diretoria Executiva, através da sua associação Din4mo Lab. 

Com uma longa história de apoio a empreendimentos de alto impacto, a Din4mo traz em sua jornada a liderança de iniciativas inovadoras, como o crowdequity de impacto e a criação da primeira debênture de impacto no Brasil. 

A mudança de gestão representa um novo capítulo na história da Aliança. Ricardo Ramos, da Din4mo Lab e novo diretor-executivo da Aliança Pelo Impacto, conta que a iniciativa contará com a parceria técnica da ABC Associados nas frentes de conhecimento e articulação em rede.

“Estamos entusiasmados com esta oportunidade de liderar a Aliança e continuar a fortalecer o ecossistema de investimentos e negócios de impacto no Brasil. Contamos também com um Conselho renovado, com lideranças que honrarão o corpo diretivo anterior e que seguem com profundo conhecimento e envolvimento com a agenda de impacto no Brasil”, afirmou Ramos. 

Aliança Pelo Impacto, sob gestão da Din4mo Lab, planeja trabalhar para expandir ainda mais o impacto positivo no Brasil. Seus esforços se concentram em três eixos principais: produção de conhecimento, articulação nacional e global e influência em políticas públicas. Por meio desses eixos, pretende-se mobilizar mais capital para a economia de impacto e contribuir significativamente para a transformação socioambiental positiva que o Brasil e o mundo necessitam.

Assine nossa neswletter