‘Brasileiro, mas não jogador de futebol’: curta de jovem pernambucano é premiado na ONU

21 de novembro de 2019

Por Impacta Nordeste
Foto: ONU News


Inclusão social, diversidade cultural e migração foram os temas retratados em 25 curtas-metragens exibidos na 10° edição do Festival de Vídeo da Juventude PLURAL+ 2019. O evento aconteceu na sede das Organizações das Nações Unidas (ONU), em Nova York, na última quarta-feira (13).

Jovens de diversos países tiveram a oportunidade de apresentar seus projetos, entre eles, o brasileiro Patrick Melo. Com 20 anos e natural de Pernambuco, Patrick dirigiu e escreveu o curta Brasileiro, mas não jogador de futebol, um recorte sobre a xenofobia inspirado em suas próprias experiências.

Por ser nordestino, o jovem sentiu duramente o preconceito quando mudou-se da cidade de Jaboatão dos Guararapes (PE) para o Rio de Janeiro aos 15 anos de idade. Foi então que Patrick teve a ideia de falar sobre o tema delicado em forma de filme – porém, com bastante bom humor. 

“Eu gosto muito de lidar com as coisas de um jeito engraçado, divertido e de fazer piada com tudo, e isso foi mais uma ferramenta que eu usei para reverter em comédias e risos e em conscientização nas pessoas.”, explica Patrick. Brasileiro, mas não jogador de futebol foi o único filme reconhecido nas categorias Prevenção da Xenofobia e Vídeo.

Os 25 curtas premiados foram anunciados por Miguel Ángel Moratinos, representante da Aliança de Civilizações das Nações Unidas (UNAOC) e o diretor-geral da Organização Internacional para as Migrações (OIM), Antônio Vitorino.“O PLURAL+ fornece um espaço para os jovens expressarem livremente suas visões sobre questões sociais urgentes”, explica Miguel Ángel Moratinos.

Para Antônio Vitorino, “Esses jovens cineastas não permitiram que as narrativas negativas sobre a migração – tão popularizadas na mídia contemporânea – os privassem de empatia.”

Confira a entrevista do Patrick no canal da ONU Brasil.

Sobre o Festival de Vídeo da Juventude PLURAL+

Em um mundo frequentemente marcado pela intolerância e por divisões culturais, o PLURAL+ busca reconhecer os jovens como agentes poderosos da mudança social, capazes de estimular o respeito à diversidade. A iniciativa é promovida pela Organização Internacional para as Migrações (OIM) e Aliança de Civilizações das Nações Unidas (UNOAC).