Hand Talk, negócio de impacto de Alagoas, apresenta sua solução para CEO do Google

17 de fevereiro de 2020

Por Impacta Nordeste
Foto: Divulgação/Hand Talk


Em 2008, o publicitário e cientista da computação Alagoano Ronaldo Tenório, teve a ideia que mudaria não só a sua vida, mas a de milhões de surdos pelo país. Durante um projeto de faculdade, o empreendedor percebeu que poderia unir duas de suas paixões – a tecnologia e a comunicação – para resolver um problema global e ajudar milhões de pessoas. O projeto ficou guardado por quatro anos, até que em 2012 Ronaldo e dois amigos, hoje seus sócios, Carlos Wanderlan (Analista de Sistemas) e Thadeu Luz (Arquiteto especialista em 3D), se juntaram para colocar a mão na massa, apresentando a solução em um desafio de startups do qual saíram vitoriosos. Ali nasciam a Hand Talk e o seu líder, o Hugo.

Com mais de três milhões de downloads, o aplicativo Hand Talk funciona como um tradutor de bolso, traduzindo texto e voz automaticamente para Libras, e conta com a seção educativa Hugo Ensina – uma série de vídeos em que o personagem ensina sinais e expressões em Libras para os interessados na língua. O app é gratuito e está disponível para tablets e smartphones, nos sistemas Android (na Play Store) e iOS (na App Store).

Desde então, a Hand Talk ganhou reconhecimento como uma solução inovadora e acessível em várias partes do Brasil e do mundo. Foram dezenas de prêmios, dentre eles o de Melhor Aplicativo Social do Mundo em 2013, entregue pela ONU (Organização das Nações Unidas), no prêmio World Summit Mobile Award, em Abu-Dhabi. Na ocasião, a Hand Talk concorreu com cerca de 15.000 aplicativos de mais de 100 países.

Ao longo de sua trajetória, a Hand Talk contou com a ajuda de mentorias e acelerações de organizações referência no Brasil e Estados Unidos, como Artemisia e Instituto Quintessa, na área de impacto social, e a Launchpad Accelerator – a aceleradora de Startups do Google, o que deu forma a seu modelo de negócios atual, focado em geração de impacto em larga escala.

Startup foi selecionada para apresentar sua solução ao CEO da Google, Sundar Pichai

Em 2019, a Hand Talk foi a única brasileira entre as 20 organizações selecionadas para receber o aporte compartilhado de 25 milhões de dólares do Google.org, por meio do programa Google AI Challenge.

Os fundadores da Hand Talk, Carlos Wanderslan, Ronaldo Tenório e Thadeu Luz junto com o Hugo (Foto: Divulgação).

Os fundadores Ronaldo Tenório, Carlos Wanderlan e Thadeu Luz estiveram São Francisco, na Califórnia, para apresentar a Hand Talk no palco principal do Google AI Impact Summit e foram um dos grandes destaques do programa. A startup foi uma das cinco escolhidas por Sundar Pichai, CEO da Google, para bater um papo com ele. O CEO da Google achou a solução muito interessante e fez questão de entender melhor como o Hugo, intérprete virtual que traduz conteúdos de texto e imagens para Língua de Sinais, trabalha.

“O programa Google AI Challenge que investe em organizações sociais, instituições de pesquisa e empresas de impacto social, com o objetivo de combinar inteligência artificial a mudanças sociais, proporcionou oportunidades incríveis à startup e esse momento definitivamente foi uma delas”, comenta Ronaldo.

Com a missão de quebrar barreiras entre surdos e ouvintes em todo o mundo, a startup trabalha no momento com a introdução de ASL, American Sign Language – Língua Americana de Sinais – dentro do aplicativo.

Gostou do nosso site? Siga o Impacta Nordeste, assine a nossa newsletter e compartilhe com os amigos!