Impacta+

Inovação no combate à covid-19: sociedade civil mostra a força de uma população unida

9 mins de leitura

Dando continuidade a nossa série especial sobre iniciativas inovadoras no combate à Covid-19 no Nordeste, analisamos iniciativas inovadoras surgidas a partir da união de empresas, de organizações da sociedade civil e da população para reagir aos desafios econômicos e sociais impostos pela pandemia. (Foto: Karla Fagundes/CUFA)

Por Ana Paula Silva e Danielle Leite

Na semana em que se completa um ano que a Organização Mundial de Saúde (OMS) anunciou que a doença provocada pelo coronavírus tinha se tornado uma pandemia, o Brasil atravessa a segunda onda da doença com aumento significativo de casos.

Em meio a corrida global por vacinas, negligência e disputas políticas sobre a condução do enfrentamento à pandemia, novas variantes e uma parcela de pessoas que continuam negando a gravidade da doença, vários segmentos da sociedade se uniram em torno de uma única causa: vencer a pandemia, ajudar as pessoas mais vulneráveis e salvar vidas.

Dando continuidade a nossa série especial sobre iniciativas inovadoras no combate à Covid-19 no Nordeste, vamos analisar algumas iniciativas de empresas, organizações da sociedade civil e da população em geral para mitigar os efeitos econômicos e sociais provocados pelo coronavírus.

É importante destacar que milhares de pessoas, empresas e organizações contribuíram e continuam contribuindo para amenizar os efeitos da pandemia. As iniciativas a seguir são apenas alguns exemplos de solidariedade e da união demonstrada por milhões de cidadãos, em sua grande maioria anônimos.

Cientistas voluntários combatem a pandemia com dados

A união de profissionais de várias áreas em torno do entendimento e do enfrentamento da pandemia no Brasil, mais especificamente no Nordeste, é o principal intuito do Comitê Científico de Combate ao Coronavírus. O comitê conta com o apoio de voluntários do Projeto Mandacaru, organização informal e independente do comitê, além de outros pesquisadores e instituições.

O Comitê Científico de Combate ao Coronavírus foi criado para propor medidas combinadas, baseadas na ciência, entre os governos dos estados e municípios da região Nordeste com a colaboração de cientistas e estudantes do Brasil e de outros países como Canadá, EUA e Alemanha, para formar uma enorme rede mundial de apoio ao combate ao coronavírus.

APP Monitora Covid-19. (Foto: Divulgação)

Para tornar público os artigos científicos de diversos pesquisadores, médicos e de toda a comunidade científica do Brasil e do mundo foi criado o Projeto Mandacaru, que se constitui por voluntários organizados em prol do combate à disseminação do coronavírus. As orientações desses profissionais foram organizadas numa plataforma digital que apresenta diversas informações para ajudar a esclarecer as dúvidas da população sobre a Covid-19.

Dentre as iniciativas do comitê está o aplicativo Monitora COVID-19, que foi desenvolvido por instituições privadas, em parceria com o Consórcio Nordeste, a Secretaria de Ciência, Tecnologia e Inovação da Bahia, a Secretaria de Saúde do Estado da Bahia e a Fundação Estatal Saúde da Família, e foi ratificado pelo Comitê Científico.

A plataforma monitora o crescimento da pandemia em todo o Nordeste, acompanhando a evolução da Covid-19, em tempo real, com dados fornecidos pela população e com essas informações gera cenários científicos que orientam prefeitos e governadores da região a decidirem como enfrentar a pandemia, além de possibilitar o registro e acompanhamento de pessoas com suspeita da doença, fornecendo informações importantes para prevenção e cuidados e o acompanhamento por profissionais de saúde.

Ao utilizar o aplicativo o usuário preenche informações sobre sua saúde e possíveis sintomas. Com esses dados, o programa classifica o risco e as possibilidades desse paciente estar contaminado. Caso a resposta seja positiva, o usuário recebe recomendações e orientações para tratamento, inclusive se deve ou não ir a um hospital.

A partir da utilização do Monitora Covid, o cidadão é inserido num ecossistema de cooperação que inclui o atendimento ao paciente facilitando o acesso a profissionais de saúde, mesmo em áreas remotas, e subsidia os gestores nas definições no enfrentamento da pandemia. A ferramenta também é importante por contribuir com a ciência brasileira ao fornecer informações e dados que permitem prever as tendências do crescimento ou diminuição da contaminação da população.

Tecnologia contra a pandemia

Localizado na área central do Recife/PE, o Porto Digital é um dos principais parques tecnológicos e ambientes de inovação do Brasil e é um dos representantes da nova economia do estado de Pernambuco. Atualmente, o Porto Digital abriga mais de 340 empresas, organizações de fomento e órgãos de governo, com 11,6 mil profissionais e empreendedores e atua nos eixos de produção de software e serviços de Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC), Economia Criativa, além do foco no futuro das cidades por meio de prototipação com base em fabricação digital e internet das coisas (IoT).

Em março de 2020, o Porto Digital e o Ministério Público de Pernambuco lançaram a convocatória Desafio COVID-19, que destinaria um investimento de pelo menos R$ 1,3 milhão em oito iniciativas que criassem soluções tecnológicas para o enfrentamento à pandemia do novo coronavírus.

Conheça quais foram as iniciativas escolhidas no Nordeste:

Anjo Amigo – Empresa: Cells Digital (PE) – rede colaborativa para dar apoio a idosos acima dos 60 anos. A plataforma (site e aplicativo que trabalha experiência de uso gamificada) promove conexão, monitoramento, auxílio, informação e tratamento dos idosos em isolamento social devido ao COVID-19. A ajuda acontece por meio dos Anjos Amigos formados por pessoas dispostas a apoiar os idosos em cada estágio da evolução da doença.

Dynamic Covid Tracking – Empresa: Dycovid (PE) – aplicação para alerta de aglomerações em tempo real baseado em geolocalização e classificação de fatores de risco. Será capaz de definir o grau de risco de contaminação a partir do cruzamento de dados históricos do fluxo de pessoas confirmadas com o vírus.

Tecnologia de geolocalização aplicada à mobilidade para entendimento do isolamento social – Empresa: In Loco (PE) – a partir da tecnologia de geolocalização serão criadas campanhas para conscientizar cidadãos que estão em situação contrária ao recomendado no cenário de isolamento social, como pessoas visitando shoppings, parques, etc; e criação de um escore de isolamento social que será calculado diariamente com o objetivo de mensurar a evolução, ou não, do isolamento social em regiões geográficas, a partir do fluxo de mobilidade desses locais.

 COVID-19 Assist – Empresa: eHealth Potiguar (RN) – aplicação voltada para profissionais da saúde, permite a consulta rápida a protocolos que auxiliam na tomada de decisões clínicas de forma atualizada, baseando-se em evidências. Será uma ferramenta para educação e preparação dos profissionais de saúde de forma rápida. Também monitora o status de saúde dos agentes, incentiva uma cultura de segurança e reforça o engajamento profissional no combate à pandemia.

Com a emergência, a união

Reunindo também vários atores da sociedade civil, principalmente empresários e empresárias, o movimento voluntário UniãoBr surgiu para responder aos desafios coletivos causados pela pandemia, buscando soluções concretas e imediatas, de execução simples e alto impacto social. O foco é apoiar as comunidades mais vulneráveis aos efeitos da pandemia. A UniãoBr está presente em 22 estados brasileiros e em todos os estados nordestinos e atua de forma independente em cada localidade.

Os recursos arrecadados pelas Uniões de cada estado beneficiaram milhões de pessoas com alimentos, itens de higiene e limpeza, EPIs, equipamentos hospitalares e/ou reforma de hospitais. Até janeiro de 2021, as ações já tinham arrecadado mais de R$ 160 milhões, beneficiado mais de 9 milhões de pessoas, doado mais de 12 mil toneladas de alimentos e mais de 3 milhões de EPIs.

“Um mundo pós-Covid-19 não é o ´novo normal´, mas de uma nova moral. O que era normal não era bom. Nossa sociedade já estava doente”, explica Marcella Monteiro de Barros Coelho, criadora do primeiro grupo de Whatsapp no Rio de Janeiro, do qual se originou o movimento.

O movimento foi premiado no Empreendedor Social de 2020, concurso realizado pela Folha de São Paulo que escolheu trinta iniciativas de maior impacto social durante a pandemia.

Seguranças alimentar para milhões nas favelas

CUFA (Central Única das Favelas) é uma organização brasileira com mais 20 anos, reconhecida nacional e internacionalmente por sua atuação nos âmbitos político, social, esportivo e cultural. Foi criada a partir da união entre jovens de várias favelas, principalmente negros, que buscavam espaços para expressarem suas atitudes, questionamentos ou simplesmente sua vontade de viver.

Voluntários da CUFA levam doações de alimentos em Pernambuco. (Foto: Karla Fagundes)

A organização, que promove atividades nas áreas da educação, lazer, esportes, cultura e cidadania, como grafite, DJ, break, rap, audiovisual, basquete de rua, literatura, além de outros projetos sociais, teve um papel crucial junto às comunidades em que atua durante a pandemia com criação do Mães da Favela com a doação de cestas básicas e entrega dos vales-mães.

Em 2020, o Mães da Favela entregou quase 20 toneladas de alimentos e já beneficiou 1,4 milhão de famílias. No Nordeste, onde a CUFA atua em todos os nove estados, foram entregues 347.015 cestas básicas e 14.550 vales-mãe de R$ 240, para compra de gás de cozinha ou algum item para complementar as cestas básicas.

“Durante a pandemia, nossas sedes viraram verdadeiras centros de distribuição e logística de alimentos, materiais de limpeza e central de arrecadação. Viramos uma grande interface entre grandes empresas que queriam fazer doações em escala, com eficiência e foco e as pessoas que não tinham acesso a nada, nem sequer a programas sociais, e precisavam urgentemente de ajuda”, conta Preto Zezé, presidente nacional da CUFA.

A Cufa entregou quase 20 toneladas de alimentos. (Foto: Karla Fagundes/Cufa)

Ainda de acordo com Preto Zezé, com a continuidade da pandemia a CUFA vai relançar o Mães da Favela 2021. “A pandemia piorou, a economia piorou e vamos dar seguimento ao nosso programa estratégico, porque dentro dessa realidade desigual e injusta em que a favela é sacrificada, parte dela por várias ações emergenciais e outra parte por não ter condições sociais de se proteger, dentro desse caos aí, tem uma base que está mais vulnerável, que são as mães. A maioria delas, mãe solteira, que tem idoso em casa, e nesse momento estão sozinhas porque os filhos não estão indo pra escola, então elas têm que ficar em casa. Então a gente montou esse programa com esse foco nessas mulheres”, relata.

Com grande capilaridade nas comunidades do Brasil, as ações da CUFA mobilizaram mais de 5 mil favelas com a arrecadação de mais de 180 milhões de reais e em muitos casos foram o que possibilitaram o alimento para muitas famílias. “O que a gente ouviu, principalmente das pessoas atendidas e de ativistas sociais, é que muitas das famílias, se não fosse a CUFA, não teriam nem como se alimentar e nem a quem recorrer. Não falamos isso com orgulho ou com alegria, porque o bom é que essas pessoas tivessem como batalhar e trabalhar pelo alimento, pelo seu sustento, pela sua autonomia e cuidar do seu destino, dos seus filhos, da sua família e colocar seu pão na mesa”, afirma Preto Zezé.

Preto Zezé, presidente nacional da CUFA (Foto: CUFA)

“Mas por outro lado, se não fosse tudo isso que a gente está fazendo, o que seria da vida dessas pessoas? Então ações como essas só reforçaram a importância da nossa capilaridade, do nosso trabalho de base e de como é importante a gente estar organizado em cada favela do Brasil e tentar, cada dia mais, expandir a nossa rede”, finaliza.

O Mães da Favela também foi premiado no Empreendedor Social de 2020, concurso realizado pela Folha de São Paulo que escolheu trinta iniciativas de maior impacto social durante a pandemia.

Delivery para empreendedores da periferia de Salvador

Em meio à pandemia, os negócios de impacto também deram a sua contribuição. É o caso do TrazFavela, serviço de entrega que surgiu em 2018, no bairro de São Caetano, em Salvador/BA, com o objetivo de colocar as favelas soteropolitanas no mapa de entregas e em 2020 conseguiu se consolidar e aumentar o número e a abrangência de entrega.

Iago Santos (ao centro), fundador do TrazFavela.

O serviço, que se define como um “delivery de quase tudo” dentro das periferias da capital baiana, leva produtos para dentro e para fora da comunidade. De acordo com Iago Santos, idealizador do TrazFavela, a ideia do negócio surgiu quando ele, que trabalhava numa empresa de entregas, observou como algumas pessoas tinham acesso a várias plataformas de delivery e conseguiam pedir o que necessitavam tranquilamente, enquanto outras que moravam nas periferias não tinham acesso a esse serviço. “Essa observação virou uma dor pessoal minha e ao observar o problema, busquei uma forma de solucioná-lo”, explica.

Durante a pandemia, a empresa viu a demanda por seus serviços crescer substancialmente. Apesar das limitações de uma empresa ainda em crescimento, a TrazFavela fez um grande esforço para cadastrar novos empreendedores para que continuassem operando via delivery nos períodos de isolamento social. “Com o incremento das vendas via delivery tivemos um crescimento exponencial chegando a crescer uma faixa de 500% a 600%”, informa Iago.

O serviço realizou 2.300 entregas no ano passado e atualmente trabalha com cerca de 40 entregadores e tem como planos futuros realizar o lançamento de um aplicativo, já que hoje o serviço funciona via Whatsapp, além de já projetar a possibilidade de expandir para outras cidades do Brasil.

*Com informações do Projeto MandacaruPorto Digital e UniãoBr.

Assine nossa neswletter