App criado por brasileiros para monitorar infectados pelo COVID-19 é premiado em hackathon global

24 de abril de 2020

Por Impacta Nordeste
Com informações de Ecoa

Um dos graves efeitos causados pela pandemia de coronavírus no mundo é a superlotação nos leitos de hospitais. Com o número cada vez maior de infectados, o que vemos atualmente é uma verdadeira corrida contra o tempo para atender a alta demanda de pacientes com o tratamento e estrutura adequado.

Em meio à isso, diversas iniciativas estão sendo desenvolvidas por especialistas e pessoas interessadas em oferecer a sensação de alívio tão necessária e urgente neste período incerto.

No início de abril, foi realizado o evento The Global Hack, um hackathon onde o objetivo era a criação de iniciativas voltadas para conter os efeitos da crise do covid-19. O evento, que teve transmissão online, durou 48h e contou com a participação de 12 mil pessoas de 100 países, que disputaram prêmios de 10 e 5 mil euros em diversas categorias.

Na categoria “Governança”, um dos projetos vencedores foi o aplicativo Cautio (para ver o pitch, clique aqui), que auxilia hospitais a monitorar à distância os sintomas do paciente infectado pelo vírus. A tecnologia foi desenvolvido por um grupo de brasileiros (residentes na Suécia, Suíça e um em Bauru, SP) e um nativo da República Dominicana.

Um dos participantes foi o advogado Felipe Costa, de 24 anos. Felipe é baiano e reside atualmente em Genebra, na Suíça. Segundo ele, a motivação para a criação do Cautio foram as notícias assustadoras sobre a insuficiência de leitos para comportar pacientes infectados. “Cada vez mais se escuta sobre os hospitais sobrecarregados e as UTIs que não estão dando conta. Fiquei imaginando a realidade das pessoas que são mandadas de volta para casa e, muitas vezes, ficam a ver navios.”, comentou Felipe ao Ecoa.

O aplicativo Cautio (do latim = cautela) permite que o paciente que apresenta os sintomas do covid-19 e não conseguiu vaga no hospital seja acompanhado à distância. Na plataforma, o paciente ou seu cuidador registra diariamente informações sobre seu estado de saúde, que serão monitoradas pelos hospitais cadastrados.

Caso o paciente apresente piora no quadro, o usuário poderá ser encaminhado para internação. Essa dinâmica ajuda os hospitais e centros de saúde a realizar a redistribuição de leitos específicos otimizado para pacientes com o covid-19. O usuário não paga nada para utilizar o aplicativo, mas será cobrado as instituições uma taxa correspondente ao número de pacientes cadastrados na plataforma.

Os criadores do aplicativo afirmam que o objetivo não é criar apenas um canal “médico-paciente”, e sim um espaço onde hospitais e governo possam rastrear a evolução da doença em pacientes que foram mandados para casa e analisar a tendência da pandemia para tomada de decisões.

O próximo passo é apresentar a plataforma para as secretarias de saúde e órgãos responsáveis pela administração de hospitais públicos e privados no Brasil e ao redor do mundo.

Gostou do nosso site? Siga o Impacta Nordeste, assine a nossa newsletter e compartilhe com os amigos!