ConhecimentoNegóciosOrganizações

Estudo avalia a efetividade das aceleradoras de impacto

2 mins de leitura

Estudo realizado pela MOVE Social entrevistou 73 empresas e organizações para avaliar a efetividade de 11 aceleradoras de impacto social do Brasil.

“Em que medida organizações intermediárias (aceleradoras) contribuem com o fortalecimento de negócios e OSCs e alavancam impactos sociais e ambientais positivos?”. Foi essa pergunta que o estudo “Avaliação de programas de aceleração de impacto do Brasil” promovido pela MOVE social, organização que tem a missão de contribuir com organizações públicas e privadas para ampliar e qualificar os impactos sociais e socioambientais de suas ações, buscou responder.

Com o crescimento dos negócios de impacto socioambiental no Brasil, surgiram diversas iniciativas de aceleração para contribuir com os impactos pretendidos, qualificando produtos e serviços oferecidos e ajudando a desenvolver organizações, incluindo as da sociedade civil. Estas organizações intermediárias (ou dinamizadoras) dedicadas à aceleração passaram a ser parte integral e relevante do ecossistema de impacto no Brasil, facilitando o amadurecimento de ideias, a articulação de redes e se constituindo como elo determinante para o fluxo de investimentos.

Em quase um ano de trabalho, o estudo contemplou a participação de 11 organizações intermediárias (aceleradoras) e 73 negócios de impacto e organizações da sociedade civil (OSCs) que foram “aceleradas” pelas parceiras. As organizações avaliadas foram: Conexsus, Climate Ventures, Dín4mo, Idesam, Instituto Legado, NESst, Phomenta, PretaHub, Quintessa, Semente, Yunus Negócios Sociais Brasil.

Confira o evento de lançamento do estudo.

Reconhecida a relevância destas organizações para o ecossistema e a maturidade já estabelecida no contexto brasileiro, o estudo desenvolvido pela Move tem a missão de aprimorar ainda mais o papel que exercem, investigando os avanços que foram capazes de produzir, bem como os pontos que precisam de atenção e ajuste em suas estratégias. O estudo pretende também contribuir com o debate sobre métricas e abordagens avaliativas para este setor, aspecto reconhecido como um desafio para diversas organizações.

Resultados

A partir das respostas de 73 negócios e organizações participantes de 13 programas de aceleração de 10 aceleradoras, conclui-se que as aceleradoras de impacto contribuem com o fortalecimento de negócios e organizações da sociedade civil em todas as dimensões organizacionais avaliadas, o que afirma a relevância do trabalho que realizam.

Avaliando dimensões como “Propósito e estratégia”, “Marketing, comunicação e transparência”, “Gestão financeira e captação de recursos”, entre outras, as empresas aceleradas avaliaram cada critério com notas de 0 a 6, onde 0 representa “Não contribuiu em nada” e 6 “Contribuiu totalmente”.

Na dimensão “Propósito e estratégia”, 50% das empresas e organizações aceleradas responderam que os programas contribuíram totalmente, resultando em uma avaliação média de 5.5. Já as dimensões “Marketing, comunicação e transparência”, “Pessoas e cultura” e “Produtos e/ou serviços” recebeu avaliação média de 5. Apenas “governança e jurídico” e “cadeia de valor e gestão ambiental” exibiram desempenho um pouco menor que as demais, obtendo uma média de 4, ainda assim um resultado expressivo.

Para baixar o estudo completo, acesse o site da MOVE Social.

Assine nossa neswletter