Impacta+

O turismo pós-pandemia: experiências culturais, sustentabilidade e impacto social

13 mins de leitura

Novas formas de fazer turismo representam uma grande oportunidade para o Brasil e, especialmente, para o Nordeste. Práticas que envolvem valorização da cultura local e impacto socioambiental positivo já estavam em crescimento. Com a pandemia, novos e antigos players do setor buscam inovar para oferecer experiências únicas aos turistas. (Foto: Chapada Diamantina, Andaraí – BA | Felipe Dias)

Por Ana Paula Silva e Danielle Leite

Sem dúvida, o setor do turismo está sendo uma das atividades econômicas mais afetadas pela pandemia. Só no Brasil, estima-se que essas atividades já somam um prejuízo de R$ 290,6 bilhões desde o agravamento da pandemia, no período de março de 2020 até fevereiro deste ano, de acordo com os cálculos da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC).

Há tempos o setor vem se reinventando e novas formas de se hospedar e conhecer novos lugares, muitos deles fora das rotas tradicionais, vem crescendo por todo o mundo. As mudanças provocadas pela pandemia trouxeram um novo propósito a muitas coisas, inclusive ao ato de viajar.

Toda a cadeia do turismo traz impactos positivos e negativos para economia e a sociedade. De um lado representa geração de empregos, incremento na economia, integração entre culturas, troca de experiências. Por outro, ela pode provocar o aumento das emissões de gases de efeito estufa, esgotamento de recursos naturais, excesso de lixo, exploração de mão de obra e gentrificação.

São nesses pontos que práticas como o turismo de experiência, sustentável e com impacto social positivo podem reforçar as implicações positivas e diminuir as negativas. Nesse sentido, estratégias e ações vêm sendo promovidas para contornar a situação do setor, sobretudo de caráter inovador e sustentável, visando o futuro pós-pandemia. A busca por um turismo mais consciente vem acompanhando a mudança de hábitos da população em todos os aspectos da vida.

Necessidade locais em primeiro lugar

A Organização Mundial do Turismo (OMT) define o turismo sustentável como: “O turismo que considera plenamente seus atuais e futuros impactos econômicos, sociais e ambientais, abordando as necessidades dos visitantes, da indústria, do meio ambiente e das comunidades locais”.

Já para o Conselho Global de Turismo Sustentável (GSTC, na sigla em inglês), criado na Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente e o Desenvolvimento (Eco-92), que aconteceu no Rio de Janeiro, em 1992, a definição vai além: “O turismo sustentável deve fazer uso otimizado dos recursos ambientais que constituem um elemento-chave no desenvolvimento do turismo, mantendo processos ecológicos essenciais e ajudando a conservar o patrimônio natural e a biodiversidade; respeitar a autenticidade sociocultural das comunidades anfitriãs, conservar seu patrimônio cultural e seus valores tradicionais e contribuir para a compreensão e tolerância interculturais; garantir operações econômicas viáveis e de longo prazo, fornecendo benefícios socioeconômicos a todas as partes interessadas que sejam distribuídas de maneira justa, incluindo oportunidades estáveis de geração de emprego e renda e serviços sociais para as comunidades anfitriãs e contribuindo para o alívio da pobreza”.

O GSTC estabelece quatro pilares para a prática do turismo sustentável: redução de impactos socioeconômicos, culturais, ambientais e investimento em administração responsável. Isso significa que a aplicação vai muito além de focar apenas na preservação do meio ambiente, mas visa também à manutenção e o desenvolvimento social, econômico e cultural das populações locais.

Com o crescimento constante do número de viagens e viajantes, é essencial que o turismo se transforme em um setor mais sustentável e gere menos impactos negativos para as pessoas e para o planeta. Cabe aos viajantes, empresários e às políticas públicas dos governos, repensarem e reconstruírem o turismo, fazendo com que a sustentabilidade se torne padrão em todo e qualquer tipo de viagem, seja ela em qualquer destino e para qualquer perfil de viajante. 

Nesse sentido, várias empresas, muitas delas, startups, estão colocando em prática essas novas formas de fazer turismo aplicando a inovação, a tecnologia, a sustentabilidade, a busca por experiências mais enriquecedoras, a valorização do local e da diversidade.

Conexão entre as pessoas e valorização da cultura negra

Abrir a casa a um hóspede é como abrir nosso universo particular. Este encontro é a razão de ser da Diáspora.Black, startup de impacto social que aproxima viajantes e anfitriões com um propósito comum: construir vínculos de pertencimento por meio do intermédio da oferta de acomodações compartilhadas com o intuito de promover experiências centradas no fortalecimento da cultura negra. 

Criada em 2016, a empresa, que surgiu após algumas situações de discriminação racial vivenciadas pelos sócios em outras plataformas do segmento de hospedagem, reúne um mix de serviços ligados ao legado da cultura negra. Com atuação em mais de 15 países, realiza reservas em diferentes modalidades de acomodação como: hotéis, pousadas, albergues, sítios, casas e apartamentos compartilhados em mais de 150 cidades. 

Sócios da Diáspora.Black: Antonio Pita, André Ribeiro, Carlos Humberto e Cintia Ramos. (Foto: Samuel Esteves / Divulgação)

A startup também atua com a curadoria e venda de passeios que valorizam a memória negra em cada cidade, além de pacotes especiais de viagem, para destinos como comunidades tradicionais quilombolas, comunidades ribeirinhas, e mais de 150 cidades de grande referência da cultura negra internacional. Entre as opções, estão passeios por comunidades quilombolas de São Paulo e Rio de Janeiro, bairros históricos de Salvador, São Paulo, Rio de Janeiro, Maputo (Moçambique), Cartagena (Colômbia), Luanda (Angola), Cidade do Cabo, Joanesburgo (África do Sul), entre outros. 

“Sentimos que havia espaço para promover conexões entre as pessoas e o legado da cultura negra em diferentes territórios, a partir da comunidade de anfitriões e da oferta de roteiros com curadoria especial de atrações, como o turismo de base comunitária. A partir daí reunimos em nossa plataforma uma comunidade de anfitriões que assume o compromisso de atendimento sem discriminação aos hóspedes”, explica Antônio Pita, cofundador da Diáspora.Black.

Vivência no Quilombo da Fazenda, em 2018. (Foto: André Ribeiro)

Para se cadastrar na plataforma basta criar um perfil como viajante ou anfitrião. A partir daí os interessados buscam as opções em cada cidade e realizam a reserva diretamente com o anfitrião ou com o realizador dos passeios e pacotes de viagem com a segurança de serem bem recebidos, a partir de valores e princípios que valorizam a diversidade.

“Nosso principal objetivo é desenvolver soluções de tecnologia que permitam a geração de receita e visibilidade às iniciativas de promoção da cultura negra. Dessa forma, todas as pessoas podem encontrar em um único lugar as melhores opções de viagem para conhecer e vivenciar esse legado, se conectando com a diversidade da nossa cultura”, afirma Antônio.

Para Antônio, promover a valorização do legado da cultura negra e o incentivo ao conhecimento é uma das muitas estratégias possíveis para combater o racismo.

“O racismo está na estrutura da nossa sociedade. Há diversas estratégias de resistência e promoção da igualdade racial, acreditamos que o conhecimento e a vivência sejam algumas delas. Cada pessoa que se permite vivenciar uma cultura de perto, suas histórias e marcos históricos, acaba por aprender novos valores e fortalecer uma visão empática do mundo. Também acreditamos que a tecnologia permite valorizar e conectar as vozes e comunidades que compartilham valores e legados ancestrais”

Antônio Pita, cofundador da Diáspora.Black

De acordo com o cofundador da empresa, o turismo de experiência tem uma grande oportunidade a partir das transformações do setor com a pandemia de Covid-19 e acompanhar essas mudanças será uma questão de sobrevivência para essas empresas. “Os clientes estarão mais exigentes em relação às experiências que querem vivenciar em todas as etapas de sua viagem, desde a maior procura por roteiros que valorizam as experiências com a natureza, a preferência por atrações mais exclusivas, autênticas e sem aglomeração, até os serviços com atitudes conscientes. A demanda por serviços de qualidade e com atuação responsável socialmente já pressiona o trade a revisar suas políticas e direcionar o investimento para qualificar suas operações e capacitar todos os atores do setor”, alerta.

Turismo de experiência no Nordeste

Esse é o caso da Ecotur Nordeste, uma agência de turismo de experiência que busca, em cada viagem, promover atividades diversas agregando educação, cultura e gastronomia junto ao conhecimento das belezas naturais da região visitada, além de promover a amizade e o companheirismo entre os participantes.

Julliane Freire, Co-fundadora da Ecotur, em uma das experiências oferecidas pela empresa. (Foto: Arquivo Pessoal)

A empresa surgiu da paixão por trilhas e viagens de duas amigas, que também eram alunas do curso de Ciências Econômicas da Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Julliane Freire e Dagmar Nascimento. Elas perceberam que a demanda pelo ecoturismo não era suprida pelas empresas locais, que por estarem em uma cidade litorânea como Natal/RN, se concentravam no turismo de lazer ou de sol e mar.

Com esse entendimento, em 2016, nasceu oficialmente a Ecotur Nordeste com o propósito de inovar e atuar de forma pioneira no turismo de experiência com impacto social e sustentabilidade no contexto potiguar e nordestino. Para isso, as duas também buscaram a formação de guia de turismo pelo Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte (IFRN).

Em relação ao turismo sustentável, Julliane Freire, diretora executiva da Ecotur, explica que para elas a sustentabilidade é um valor inegociável e presente no planejamento e nas ações da empresa.

“Um valor que nasceu principalmente da preocupação de uma das fundadoras e hoje se ramifica por meio de pequenas ações como: a coleta de lixo em trilhas, a reciclagem de revistas de papel que se transformam em saquinhos de lixo para os viajantes. Até em iniciativas mais robustas como a execução de ações planejadas a partir de um calendário ambiental feito especialmente para alinhar a sustentabilidade como um valor da Ecotur Nordeste”. 

Julliane Freire, diretora executiva da Ecotur

A empresa trabalha com roteiros em duas perspectivas: Viagens Coletivas e Experiências. Em ambas, os destinos são selecionados num planejamento trimestral feito pela equipe que elabora os roteiros. As Viagens Coletivas são disponibilizadas em quatro roteiros mensais, em média, de acordo com a disponibilidade de público, permanecendo disponíveis apenas naquelas datas específicas. Já as Experiências são roteiros mais enxutos para que os viajantes possam aproveitar quando e com quem quiserem, já que estão disponíveis a maior parte do ano e dependem somente da agenda do parceiro local que receberá os viajantes da agência.

Experiência cultural no território Indígena do Catu, Canguaretama – RN. (Foto: Arquivo Pessoal)

Entre os roteiros e experiências disponibilizados pela empresa estão: Beach Run – etapa Canoa Quebrada (CE), Belezas de Perobas/RN, Baía Formosa/RN, a imponente Cachoeira do Roncador – Bananeiras/PB, Baía da Traição/PB, as belezas de Coqueirinho e Praia do Amor/PB, as belezas de Calhetas e Gaibu/PE, Atalaia e Viçosa: rota das cachoeiras, Imersão da Gamboa do Jaguaribe/RN, entre outros. 

Segundo Julliane, o roteiro mais distante feito pela Ecotur foi Piranhas/AL, cidade histórica às margens do Rio São Francisco e o mais difícil, que envolve trilha com montanhismo, no emblemático Pico do Cabugi, vulcão extinto e símbolo do Rio Grande do Norte, “sem dúvida é o nosso Everest”, afirma.

A agência atende a maioria dos públicos, com exceção de quem possui alguma limitação de mobilidade, mas alguns roteiros não são indicados para crianças e idosos, pois contam com caminhadas em trilhas. Porém, a agência sempre busca montar roteiros para toda a família, focando na segurança dos participantes e no acesso às atividades.

Coleta de resíduos em uma das viagens realizadas pela Ecotur. (Foto: Arquivo Pessoal)

A pandemia impactou os serviços e a forma de atendimento da empresa. A Ecotur passou a priorizar lugares abertos e exclusivos para compor os roteiros e reforçou a comunicação de respeito em relação ao cuidado com o outro e as medidas de biossegurança praticadas pela empresa. “Mais recentemente, passamos a priorizar os roteiros em forma de experiências, justamente por permitir ao viajante ir quando e com quem ele quiser, reduzindo drasticamente a possibilidade de aglomeração”, explica Juliana.

Apesar dos desafios, a pandemia proporcionou diversos ensinamentos para as empreendedoras do turismo. “Optamos por métodos ágeis e nosso futuro é avaliado por trimestre. Em 2021, nosso foco será a plataforma de marketplace de experiências, acreditamos que será uma tendência, no pós-pandemia, a busca por viagens próximas, com pouca aglomeração, para ir com seus núcleos familiares ou grupos de amigos. Por isso inovamos com esse produto que será uma iniciativa única no Nordeste”.

Empoderamento para os profissionais do turismo

O isolamento social e as restrições impostas ao funcionamento de serviços e comércios, além da ausência de turistas em várias cidades do país devido a pandemia, impactaram todo o setor turístico, mas uma determinada parte dessa cadeia foi mais afetada, os agregados do turismo: artesãos, artistas plásticos, guias de turismo, condutores de grupos e passeios culturais, entre outros.

Diante desse cenário e da necessidade desse público, Laurinda Luiza Soares de Macedo e sua sócia, Patrícia Dias Oliveira, enxergaram a oportunidade de desenvolver um marketplace que ajude esses profissionais da área do turismo a ofertarem seus serviços e produtos. Nesse contexto nasceu a Turisnato, uma startup de impacto social voltada para fortalecer a cadeia produtiva do Turismo.

Laurinda (à frente) e sua sócia, Patrícia Dias Oliveira, co-fundadoras da Turisnato. (Foto: Arquivo pessoal)

“A maioria desses profissionais não possui renda e emprego, além da atividade relacionada ao turismo. Eles não têm autonomia, nem dinamicidade para gerarem suas próprias receitas e distribuírem seus produtos. Os guias são sempre demandados pelas agências e historicamente, os artesãos costumam vender presencialmente, em feirinhas e centros de turismo”, explica Laurinda, CEO da empresa.

“Vamos empoderar e gerar capacidades para que eles possam vender pela internet, conectando-os aos turistas que buscam produtos e experiências turísticas diferenciadas e assim conquistarem autonomia e independência nesse mercado”, afirma Laurinda. 

A plataforma criada pela Turisnato tem como principal objetivo dar condições a esses profissionais autônomos, que vivem do turismo, a oportunidade de gerarem emprego e renda, oferecendo experiências turísticas, artesanato e produtos no portal.

A iniciativa se posiciona como um negócio de impacto ao fazer o intermédio entre as necessidades dos profissionais, possibilitando a geração de renda de forma autônoma, o que impacta diretamente nas comunidades nas quais estão inseridos.

“O turismo deve ir ao encontro das necessidades dos turistas, mas também das comunidades em que estão inseridos, protegendo sempre os recursos naturais com olhar nas oportunidades para o futuro” .

Laurinda Luiza Soares de Macedo, CEO da Turisnato

A solução trazida pela Turisnato fica ainda mais clara quando observamos os números apresentados por várias instituições em relação à cadeia do turismo. No Brasil, há mais de 17 mil guias de turismo (Cadastur, 2016) e 10 milhões de artesãos (IBGE, 2019), dos quais, 77% é formado por mulheres (Data Sebrae, 2020). O artesanato brasileiro gera uma receita de R$ 50 bilhões por ano (Sebrae, 2020).

Na plataforma, o artesão poderá se cadastrar como vendedor, catalogar seus produtos, com fotos atraentes, história do produto, entre outras funcionalidades. Já o guia de turismo vai montar sua oferta de experiência turística e colocar à venda na ferramenta, tudo de forma autônoma e independente.

Segundo Laurinda, o Ceará será o piloto do projeto, mas a ideia é expandir. “Quando se lança uma plataforma como essa, a escala é praticamente indeterminada. Qualquer artesão que produz peças turísticas e qualquer guia de turismo credenciado vai poder vender pela Turisnato, em qualquer lugar do Brasil”.

Para ela, num mundo pós-pandemia será preciso enxergar novas possibilidades e oportunidades para as cidades e comunidades que dependem do turismo. “Para seguirmos rumo à retomada e voltarmos a crescer, será necessário compreender que agora mais do que nunca a maneira de se relacionar com o turista mudou. Seja pelo interesse dele em relação ao que visitar, seja pela necessidade de incorporar soluções tecnológicas para atendermos ao momento e a atual conjuntura”, prevê. 

Grandes operadoras também buscam se reposicionar

As grandes empresas do setor também estão atentas as novas tendências do turismo. Com mais de 35 anos de atuação no mercado brasileiro, a Bancorbrás tem entre os seus ramos de negócio o turismo. Com sede em Brasília, a empresa foi criada a partir dos ideais de um grupo de funcionários do Banco do Brasil e do Banco Central. Hoje a holding possui filiais, representações comerciais e agências credenciadas nas principais capitais do país. Um dos produtos da empresa é o Clube de Turismo Bancorbrás que oferece diferentes tipos de acomodações no Brasil e no exterior.

Christian Soliva, coordenador da Agência de Viagens Bancorbrás (Foto: Arquivo pessoal).

A tendência ao turismo de experiência e sustentável vem sendo incorporada na empresa. Seus produtos incluem destinos que proporcionam experiências inesquecíveis e que fomentem a prática da sustentabilidade como: Jericoacoara, Bonito, Fernando de Noronha, Gramado, Manaus com visitas às aldeias indígenas entre outros.

“Temos como objetivo sempre oferecer o que há de melhor e mais seguro no que diz respeito à viagem para os nossos clientes. Sempre temos o cuidado na escolha de empresas de hospedagem e prestadoras de serviços, priorizamos produtos e parceiros da própria localidade, ofertamos treinamentos dos destinos junto à equipe, e durante esse período de pandemia temos divulgado também os destinos de menor fluxo turístico”, explica Christian Soliva, coordenador da Agência de Viagens Bancorbrás.

Para o coordenador, a mudança no mercado é muito positiva para o setor e promove uma conscientização no que diz respeito à preservação ambiental e sustentabilidade, especialmente nesse momento de pandemia e isolamento social.

“Essa tendência foi potencializada nesse momento que estamos vivendo, pois permite que o visitante mude um pouco a rotina e aproveite as atividades ao ar livre e em contato com a natureza, longe de aglomerações. Os destinos que se apoiam na natureza como atrativo estão cada vez mais em evidência. Durante essa retomada do setor, os viajantes também estão em busca de locais que ofereçam conforto e tranquilidade em ambientes mais controlados”. 

Christian Soliva, coordenador da Agência de Viagens Bancorbrás

Segundo Christian, o turismo está passando por um processo de reinvenção e algumas mudanças já vem sendo feitas na abordagem aos clientes, oferecendo destinos e períodos mais tranquilos para viajar, em locais com menos fluxo, para descansar e sem aglomeração. “Sempre incentivamos o não cancelamento da viagem dos sonhos, mas sim, o adiamento para outro período. Indicamos o turismo regional para cidades mais próximas, as viagens de carro, a fim de evitar aeroportos e hotéis com menos fluxo de pessoas transitando e que possuem o selo de segurança do Ministério do Turismo”.

Além de buscar a sustentabilidade dentro do seu formato de negócio, a Bancorbrás também possui um braço social da empresa, o Instituto Bancorbrás que possui dois projetos na área de sustentabilidade: o Plantando o Futuro que faz parte do programa Florestas do Futuro, da Fundação SOS Mata Atlântica, e realiza a doação de mudas de espécies nativas da Mata Atlântica; e a Campanha Uso Consciente que propõe a redução do consumo, a reutilização, a separação correta dos resíduos e o encaminhamento para a reciclagem. Está última é realizada por meio de parcerias com cooperativas que promovem a coleta de resíduos e geram emprego e renda para centenas de cooperados.

Assine nossa neswletter