Opinião

Onde‌ ‌estão‌ ‌os‌ ‌gestores‌ ‌negros‌ ‌no‌ ‌mercado‌ ‌de‌ ‌trabalho?‌

2 mins de leitura

Por Tamila dos Santos‌

Sabemos que a desigualdade racial tem se manifestado de diversas formas ao longo da história e, por isso, faz parte de uma engrenagem maior que entrelaça todas as áreas (sociais, educacionais, segurança pública etc). Apesar dos recentes “avanços”, ainda há muito para se desenvolver. Mas como isso se dá no mundo do trabalho?

Segundo o livro do economista Prof. Hélio Santos, “ A busca de um caminho para o Brasil: A trilha do círculo vicioso” (2001), existem três tipos básicos de discriminação à pessoas negras no mercado de trabalho:

  1. Discriminação Ocupacional – Dificuldade de encontrar as vagas mais bem remuneradas no mercado de trabalho. No sentido de questionar a capacidade deste profissional para ocupar essa vaga e/ou vagas mais complexas.
  2. Discriminação Salarial –  Diz respeito a salários diferentes para as mesmas funções, trazendo a perspectiva de que o trabalho do negro vale menos.
  3. Discriminação pela imagem Mantença da imagem “ideal” da empresa que não abarca pessoas negras

Baseado em diversos estudos, o livro teve sua primeira publicação em 2001, porém acreditamos que seus conceitos ainda se aplicam no cenário atual, no contexto do chamado “Racismo Estrutural”, práticas institucionais, culturais e históricas, que consolidam no imaginário social a superioridade de um grupo sobre outro.

“…pessoas negras ocupam entre 57-58% dos cargos de aprendizes e trainees, porém, quando vamos para cargos de liderança, o número reduz para 6,3% em gerência e 4,7% em cargos executivos.”

Os números falam por si. De acordo com uma pesquisa do Instituto Ethos, pessoas negras ocupam entre 57-58% dos cargos de aprendizes e trainees, porém, quando vamos para cargos de liderança, o número reduz para 6,3% em gerência e 4,7% em cargos executivos. Ao atravessarmos os recortes de raça e gênero, o número cai para 0,4%. Ou seja, quanto mais alto o cargo na hierarquia, menor a quantidade de pessoas negras, reduzindo-se ainda mais, quando são mulheres. Alguns dos motivos apontados para os números baixos são a ausência de representatividade, exigências dos altos cargos como a fluência do inglês (apenas 1% da população negra fala o idioma), e a recente e embrionária discussão sobre diversidade nas empresas.

Há uma prática difundida no movimento negro chamada “Teste do Pescoço”. Este, consiste na observação do local onde você se encontra, olhando para ambos os lados quem são as pessoas negras que compõem aquele espaço. Assim, fica o convite, onde e em quais posições hierárquicas estão os profissionais negros(as) no negócio ou empresa em que você trabalha?

Tamila dos Santos é Assistente Social (UFBA), especialista em Gestão Social (Instituto Amani) e Mestranda em Design (CESAR). Trabalha com diversidade, inovação e liderança há 10 anos. É fundadora e CEO da AFROIMPACTO, uma Escola Online de Afroempreendedorismo que impulsiona pessoas e negócios pretos.

Assine nossa neswletter