InovaçãoONGsSaberes

Pesquisa global revela percepção sobre o uso de Inteligência Artificial por ONGs

6 mins de leitura

Estudo realizado pela Charities Aid Foundation (CAF), representada no Brasil pelo IDIS, monstra sociedade otimista, mas ainda bastante dividida em relação ao uso da IA por organizações sociais.

*Com informações de IDIS

A Inteligência Artificial (IA) deixou de ser tema de ficção científica, com aplicações cada vez mais presentes em nosso cotidiano. Em 2023, o mundo presenciou (e experimentou) a explosão do ChatGPT, plataforma de IA generativa da Open AI, que em apenas três meses atingiu 100 milhões de usuários – o crescimento mais rápido na história dos aplicativos de internet. E à medida que a tecnologia avança, também cresce a reflexão sobre implicações técnicas e éticas e sobre as oportunidades e riscos associados a ela.

A pesquisa inédita ‘O que pensam as pessoas sobre o uso de IA por ONGs’, realizada pela organização britânica Charities Aid Foundation (CAF), representada no Brasil pelo IDIS – Instituto para o Desenvolvimento do Investimento Social, revela uma sociedade otimista quanto à adoção da Inteligência Artificial, mas como ressalvas. Participaram do estudo mais de seis mil indivíduos em 10 países, incluindo o Brasil.

Segundo a pesquisa, 37% dos entrevistados acreditam que os benefícios do uso da IA superam os potenciais riscos, em contraste com os 22% que afirmam o contrário. “Os achados deste estudo são ricos para aprofundarmos o debate sobre o uso da IA no terceiro setor no Brasil, com a responsabilidade e ética que o tema exige” comenta Luisa Lima, gerente de comunicação e conhecimento do IDIS.

O estudo aprofunda a análise calculando ainda a favorabilidade líquida, ou seja, a diferença entre aqueles que são favoráveis ao uso da IA e aqueles que acreditam que os riscos são maiores. No mundo, esse valor equivale a 15%. No ranking por países, o Brasil ocupa o segundo lugar entre aqueles que acreditam que os benefícios do uso da IA superam os riscos (30%), ficando atrás apenas do Quênia (44%). Entre os países pesquisados, apenas na Austrália a maioria da população se mostra cética em relação à adoção do IA, e acredita que os riscos são maiores que as oportunidades (-4%).

As oportunidades mais destacadas pelos respondentes brasileiros foram a possibilidade de auxiliar mais pessoas (29%), a capacidade de rápida resposta a emergências (22%) e a tomada de decisões mais precisas a partir da análise de dados (16%). Daniel Assunção, fundador e diretor-executivo do Atados, compartilhou suas percepções sobre os resultados do estudo. Ele expressa otimismo em relação ao assunto, e destaca seu uso em situações emergenciais, como enchentes, por exemplo: “A IA poderá contribuir ainda antes dos desastres, mapeando potenciais riscos e informando a população na iminência de ser afetada. Pode ser benéfica também no momento da resposta, otimizando a distribuição dos recursos e a comunicação entre todos os envolvidos, assim como depois, avaliando a qualidade da resposta a partir do cruzamento de dados disponíveis.”

Já entre os riscos para as organizações do terceiro setor, a segurança de dados (30%), a redução de postos de trabalho (26%) e a geração de informações e decisões enviesadas (14%) foram os mais citados pelos respondentes brasileiros. Para ajudar a mitigar esses potenciais problemas, Rodrigo Pipponzi, Presidente do Conselho Grupo MOL, destaca a importância das estruturas de governança na análise de como a ferramenta deve ser utilizada nas organizações. “Os conselhos das organizações podem desempenhar um papel muito importante, não apenas facilitando a adoção das ferramentas, mas também apoiando aregulamentação de sua utilização e mediando o uso da tecnologia dentro das instituições”, afirma.

Aos poucos, a IA é adotada pelas organizações da sociedade civil, conforme relata Kiko Afonso, diretor-executivo da Ação da Cidadania. “Hoje usamos a IA para a comunicação, fazendo anúncios patrocinados em plataformas como Google ou Facebook e gerando imagens, por exemplo. Vemos também um grande potencial de seu uso para a captação de recursos, pois seu uso poderá nos ajudar a compreender melhor o perfil de nossos doadores e criarmos estratégias a partir desse conhecimento.”. A pesquisa revela que o público está atento e interessado em como as ONGs aplicam a tecnologia e apenas 13% responderam que prestariam pouca ou nenhuma atenção ao seu uso pelas organizações que apoiam. Entre os países em desenvolvimento, que inclui o Brasil, 73% dizem que prestariam muita atenção a este ponto, superior aos 40% dos países onde a renda é maior.

Os resultados indicam que o público reconhece as oportunidades geradas pela Inteligência Artificial, mas espera cautela e transparência para compreender como e por que as organizações estão utilizando a inteligência artificial para alcançar sua missão. Reconhecem também que deve haver investimento para que a IA possa ser adotada por todo tipo de organização, evitando criar desigualdades no setor.

Os dados completos estão disponíveis em https://www.cafonline.org/about-us/research/what-the-public-think-of-charities-using-ai

Percepções de lideranças de ONGs brasileiras sobre os resultados da pesquisa

Daniel Assunção, fundador e diretor-executivo do Atados:

  • Sou otimista sobre o uso de tecnologias. A IA pode otimizar nossas atividades e as pessoas poderão ter mais tempo para empreender e se dedicar a ações que contribuam para a redução das desigualdades, como a prática do voluntariado.
  • A regulação do uso da tecnologia ainda é baixa e no curto prazo pode intensificar as desigualdades e os vieses. No longo prazo, a tendência é de que isso seja superado.
  • Na organização em que atuo, conectamos pessoas interessadas em praticar o voluntariado a organizações sociais. Estamos olhando para a incorporação de tecnologias em geral, e da IA em particular, para melhorar a experiência de nossos usuários e das organizações, agilizar processos e a produção de conteúdo, assim como acelerar a inovação.
  • No Brasil, a cultura de tecnologia entre as organizações sociais ainda é baixa. Vejo poucas organizações inovando a partir de seu uso, mas conforme se popularizem, creio que muitas passarão a adotar em seus processos. A IA tem o potencial de gerar mais oportunidades para o engajamento e ativismo individual. Por outro lado, existe o risco das recomendações ainda terem muitos vieses e por isso é importante investirmos em ações que contribuam para o pensamento crítico.
  • A resposta a emergências ainda é feita de forma pouco estruturada no Brasil. As doações acontecem, mas faltam processos, coordenação e articulação entre as ações realizadas para distribuir os recursos, apoiar os atingidos e mitigar os danos. O uso da IA poderá contribuir de inúmeras formas. Ainda antes dos desastres, mapeando potenciais riscos e informando a população na iminência de ser afetada. Pode ser benéfica também no momento da resposta, otimizando a distribuição dos recursos e a comunicação entre todos os envolvidos, assim como depois, avaliando a qualidade da
    resposta a partir do cruzamento de dados disponíveis.

Rodrigo Pipponzi, Presidente do Conselho Grupo MOL:

  • O terceiro setor enfrenta uma escassez de recursos. Acredito que em situações de limitação, a inteligência artificial pode desempenhar um papel complementar. É possível usá-la onde normalmente você não tem gente, não tem rapidez ou agilidade, mas ainda vejo pouco conhecimento sobre sua aplicação.
  • Tenho uma visão otimista e acredito que os benefícios superam os malefícios. Mas acho que existe um risco considerável associado à sociedade não compreender plenamente o uso dessa ferramenta.
  • Um dos principais riscos, em minha opinião, é a desconexão com as causas. Existe o perigo de desumanizar algo que é muito humano, transferindo a responsabilidade de decisões que frequentemente envolvem aspectos emocionais e intuitivos para a IA.
  • Nenhuma das organizações em que atuo atualmente incorpora a Inteligência Artificial como uma ferramenta estabelecida. Temos um uso ainda mais centrado em experimentações, faltando uma política estruturada.
  • Os conselhos das organizações devem desempenhar um papel muito importante, não apenas facilitando a adoção das ferramentas, mas principalmente regulamentando a utilização e mediando o uso da tecnologia dentro das instituições.

Rodrigo ”Kiko” Afonso, diretor-executivo da Ação da Cidadania:

  • As preocupações que são apresentadas na pesquisa são também as minhas preocupações, enquanto líder de uma OSC. Entre os fatores, o que mais me preocupa atualmente é o potencial de vieses (bias), pois isso pode de fato levar a decisões erradas.
  • Atualmente, o algoritmo pode contribuir para o processamento de grandes volumes de dados, mas nunca vai poder substituir pessoas na tomada de decisões importantes, pois isso envolve questões culturais e sociais, que são subjetivas.
  • Na Ação da Cidadania, hoje usamos a IA para a comunicação, fazendo anúncios patrocinados em plataformas como Google ou Facebook e gerando imagens, por exemplo. Vemos também um grande potencial de seu uso para a captação de recursos, pois seu uso poderá nos ajudar a compreender melhor o perfil de nossos doadores e criarmos estratégias a partir desse conhecimento.
  • Hoje, no Brasil, as OSCs usam muito pouco a IA. Acredito que o uso pode gerar resultados positivos, mas antes as organizações devem ter clareza sobre os fundamentos da tecnologia. Caso contrário, o risco de tomarem decisões enviesadas e até mesmo desastrosas é alto.
  • No Brasil, ainda estamos pouco preparados para enfrentar emergências. No curto prazo, acredito que a IA pode contribuir na identificação de potenciais tragédias e aviso às populações que podem ser atingidas.
Assine nossa neswletter